Especialistas destacam exames e cuidados indicados para cada faixa etária; confira! – Diário Online

Marinha abre 78 vagas para níveis fundamental e médio técnico no Nordeste; tem para Maceió
dezembro 15, 2019
Indústria Toxina botulínica 2019 de crescimento do mercado global, dimensão, quota, a demanda, tendências e previsões para 2025
dezembro 16, 2019

Dentista em Santos



A busca por uma vida mais saudável e uma maior atenção à saúde está entre as preocupações típicas do final do ano, quando muita gente avalia as atitudes e acontecimentos vivenciados no ano que se encerra. Na busca por medidas preventivas de saúde, o check-up é um importante aliado, por isso o DIÁRIO ouviu especialistas que destacaram exames e cuidados indicados para cada faixa etária.

Ex-presidente da Sociedade Paraense de Pediatria e professora da Universidade do Estado do Pará (Uepa), a médica pediatra Rosa Marques destaca que, na infância, a ida ao pediatra é recomendada mesmo que a criança não esteja doente. O acompanhamento é importante para que se verifique o crescimento e o desenvolvimento do indivíduo.

“Nessas consultas é feita uma avaliação geral da criança, como está a parte escolar, o reflexo, o desenvolvimento, vacinas, então são consultas bem complexas”, considera. “Isso deve ser feito até a finalização já que a pediatria engloba desde o nascimento até o último dia antes de ele completar 20 anos. Quando completa 20 anos, deixa de ser adolescente e passa a ser acompanhado pelo clínico geral”.

Entre o acompanhamento mantido pelo pediatra, a médica faz uma diferenciação entre o acompanhamento do crescimento e o do desenvolvimento, aspectos diferentes a serem considerados. “O crescimento é verificado através da aferição de comprimento e peso da criança, as duas medidas principais que não podem deixar de ser feitas em uma consulta de pediatria”, explica.

“Essas medidas podem gerar índices e, com eles, é possível fazer a avaliação nutricional e do crescimento da criança. Por isso a gente não necessita de exames muito direcionados para avaliar o crescimento. Os exames, na realidade, são pedidos quando há desvios da normalidade do crescimento”. Por outro lado, o desenvolvimento envolve a aquisição de habilidades, o que não comporta medidas numéricas. “Aplica-se testes, onde se avalia como está a aquisição de habilidades da criança. Então nós temos marcos de desenvolvimento que nos informam se essa criança está se desenvolvendo adequadamente de acordo com a sua faixa etária”, reforça Rosa.

Reforço

Na vida adulta, de acordo com variantes como a idade, o sexo e o histórico familiar e individual, alguns exames podem se fazer necessários para reforçar a atenção à saúde. A médica geriatra e professora da Uepa, Niele Silva de Moraes, destaca que, antes dos exames, a consulta médica é fundamental para o acompanhamento do paciente, tendo os exames como meio complementar dessa avaliação.

“A consulta médica é fundamental, pois avalia o estado de saúde e os riscos que o paciente apresenta, através da história detalhada do paciente, dos antecedentes familiares, hábitos de vida, comportamentos de risco e questionamento sobre outros aspectos importantes. Os exames complementam essa avaliação”.

Mantido esse cuidado, a solicitação dos exames de rastreio – conhecidos como check-up – depende da faixa de idade do paciente, do sexo e dos riscos que foram detectados na avaliação médica. “Em geral, a avaliação médica para adultos sem doenças deve ser realizada uma vez por ano, com objetivo de prevenção”.

Serviço:

Infância

0 a 1 ano

Consultas ao pediatra: pré-natal, neonatal, na 1ª semana de vida, retorno a cada mês até os 12 meses.

Vacinas

Ao nascer: BCG – (previne as formas graves de tuberculose, principalmente miliar e meníngea) – dose única; Hepatite B– (previne a hepatite B)

2 meses: Penta (previne difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e infecções causadas pelo Haemophilus influenzae B) – 1ª dose; Vacina poliomielite 1, 2 e 3 (inativada) – 1ª dose; Pneumocócica 10 Valente (conjugada) (previne a pneumonia, otite, meningite e outras doenças causadas pelo Pneumococo) – 1ª dose; Rotavírus humano (previne diarreia por rotavírus) – 1ª dose.

3 meses: Meningocócica C (conjugada) – 1ª dose.

4 meses: Penta – 2ª dose; Vacina Poliomielite 1, 2 e 3 (inativada) – 2ª dose; Pneumocócica 10 Valente (conjugada) – 2ª dose; Rotavírus humano – 2ª dose.

5 meses: Meningocócica C (conjugada) – 2ª dose.

6 meses: Penta – 3ª dose; Vacina Poliomielite 1, 2 e 3 (inativada) – 3ª dose.

9 meses: Febre Amarela – uma dose.

12 meses: Tríplice viral (previne sarampo, caxumba e rubéola) – 1ª dose; Pneumocócica 10 valente – Reforço; Meningocócica C – reforço.

1 a 4 anos

Consultas ao pediatra: Aos 15 meses, aos 18 meses, retorno a cada seis meses até os 48 meses de vida.

Vacinas

15 meses: DTP (difteria, tétano e coqueluche) – 1º reforço; Vacina Oral Poliomielite (VOP) – (poliomielite ou paralisia infantil) – 1º reforço; Hepatite A – dose única; Tetra viral ou tríplice viral + varicela – (previne sarampo, rubéola, caxumba e varicela/catapora) – uma dose.

4 anos: DTP – 2º reforço; Vacina Oral Poliomielite (VOP) – 2º reforço; Varicela atenuada (varicela/catapora) – uma dose.

5 a 10 anos

Consultas ao pediatra: Uma vez ao ano até os 10 anos

Vacinas

Meninas de 9 a 14 anos: HPV (previne o papiloma, vírus humano que causa cânceres e verrugas genitais) – 2 doses (seis meses de intervalo entre as doses).

11 a 19 anos

Consultas ao pediatra: Uma vez ao ano até os 19 anos

Vacinas

*Meninos de 11 a 14 anos: HPV (previne o papiloma, vírus humano que causa cânceres e verrugas genitais) – 2 doses (seis meses de intervalo entre as doses).

11 a 14 anos: Meningocócica C (conjugada) (previne doença invasiva causada por Neisseria meningitidis do sorogrupo C) – Dose única ou reforço (a depender da situação vacinal anterior)

10 a 19 anos: Hepatite B – 3 doses (a depender da situação vacinal anterior); Febre Amarela – 1 dose (a depender da situação vacinal anterior); Dupla Adulto (dT) (previne difteria e tétano) – Reforço a cada 10 anos; Tríplice viral (previne sarampo, caxumba e rubéola) – 2 doses (de acordo com a situação vacinal anterior).

Obs.: Segundo preconiza a Sociedade Brasileira de Pediatria, em cada atendimento com o pediatra, devem ser avaliados o estado nutricional; a história alimentar; a curva do crescimento; o estado vacinal segundo o calendário oficial; o desenvolvimento neuropsicomotor; o desempenho escolar e os cuidados dispensados pela escola; o padrão de atividades físicas diárias; exame de acuidade visual; as condições do meio ambiente; os cuidados domiciliares dispensados à criança; o desenvolvimento da sexualidade; avaliação quantitativa e qualitativa do sono; da função auditiva e da saúde bucal do paciente.

Fontes: Sociedade Brasileira de Pediatria; Calendário Nacional de Vacinação – Ministério da Saúde.

Fase Adulta 

20 a 59 anos

(Pacientes sem fatores de risco)

Verificação da pressão arterial uma vez ao ano

Exames: função renal, perfil lipídico, glicêmico e hemograma.

Exames para rastreio de câncer.

De acordo com o comportamento de risco, também devem ser realizados exames para rastreio de doenças infectocontagiosas (como HIV, hepatites B e C, sífilis).

Mulheres a partir de 21 anos ou a partir do início da vida sexual: exame preventivo (Papanicolau), com periodicidade anual.

Mulheres a partir de 40 anos: Exame de mamografia, com periodicidade anual.

Homens a partir de 50 anos: Rastreio de câncer de próstata, através da avaliação com urologista e da dosagem de PSA no sangue.

Vacinas

Dupla adulto (dT) (previne difteria e tétano) – Reforço a cada 10 anos

A depender da situação vacinal anterior: Hepatite B – 3 doses; Febre Amarela – dose única; Tríplice viral (previne sarampo, caxumba e rubéola) – Se nunca vacinado: receber 2 doses (20 a 29 anos) e 1 dose (30 a 49 anos).

Fontes: Niele Silva de Moraes, médica geriatra e professora da Universidade do Estado do Pará (Uepa); Calendário Nacional de Vacinação – Ministério da Saúde.

População Idosa 

60 anos +

Consultas: Acompanhamento ao menos uma vez por ano, devendo ser realizadas perguntas e testes para avaliação da capacidade física, memória, nutrição, risco de quedas, investigação de quadro de depressão e ansiedade, além da avaliação clínica e exames físicos detalhados.

Mulheres acima de 64 anos e homens acima de 69 anos devem realizar a densitometria óssea para rastreio de osteoporose a cada 1 ou 2 anos. Este exame pode ser realizado antes, caso o paciente apresente outros fatores de risco.

Vacinas

Dupla adulto (dT) (previne difteria e tétano) – Reforço a cada 10 anos

Influenza – Uma dose (anual)

A depender da situação vacinal anterior: Hepatite B – 3 doses; Febre Amarela – dose única; Pneumocócica 23 Valente – reforço*Vacina indicada para população indígena e grupos-alvo específicos, como pessoas com 60 anos e mais não vacinados que vivem acamados e/ou em instituições fechadas.

Fontes: Niele Silva de Moraes, Calendário Nacional de Vacinação – Ministério da Saúde.

Acompanhamento tem que ser individualizado

Independentemente dos exames disponíveis ou recomendados para cada faixa etária, o médico geriatra e presidente da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG), Carlos A. Uehara, reforça que o acompanhamento individualizado é fundamental para o acompanhamento em saúde.

O médico aponta que, ao longo da consulta, outros elementos e formas de investigação são importantes. “Dependendo dos riscos e características de cada paciente, se define uma periodicidade de acompanhamento que pode ser anual, mensal ou até mais frequente”, considera. “A avaliação com especialista é importante, mas não é porque não foi feito um monte de exames que aquele acompanhamento não é o adequado. Também se define risco ou não de desenvolvimento de alguma doença com conversa, análise do histórico individual e familiar, resposta a questionários”.

Tão importante quanto o acompanhamento médico, é a adoção de hábitos de vida saudáveis, relacionados a uma boa alimentação e prática de atividade física. “O envelhecimento ocorre ao longo da nossa vida toda e não apenas após os 60 anos”, reforça.

Fonte: https://www.diarioonline.com.br/noticias/para/543268/especialistas-destacam-exames-e-cuidados-indicados-para-cada-faixa-etaria-confira


Agende agora sua avaliação!

A Dentari Odonto Clínicas possui clinica odontologica em Santos e São Vicente e foi criada para elevar o seu conceito de qualidade e tecnologia em todas as áreas da odontologia, com destaque para implante dentário realizado em 28 dias, excelente para você que estava procurando por implante dentario em Santos ou São Vicente.

Assim como toda empresa que trilha vários caminhos para se tornar um bom negócio, temos uma boa história. Com fácil localização, conseguimos atender de maneira personalizada você que procura por dentista em Santos ou até mesmo por dentista em São Vicente. Nossa unidade de Santos, está localizada no Gonzaga e nossa clínica de São Vicente, no centro da cidade.

Antes de se tornar Dentari, a história se inicia a partir de um sonho. O sonho de mudar a vida das pessoas. O desejo de mudança, de realizações, nunca começa sozinho. Com o pensamento mútuo de conquistar o sucesso, energia, técnica, método, atendimento e tecnologia.

Nasceu então a Dentari, uma clínica odontológica de alta performance, com renomados dentistas, que alia a melhor tecnologia disponível no mercado mundial aos melhores profissionais multiespecialistas.

Com procedimentos clínicos dinâmicos, a Dentari otimiza o tempo do paciente, trazendo a solução desejada de maneira fácil e rápida. O paciente recebe o melhor atendimento com todo o conforto que a clínica oferece.

O principal resultado é a satisfação dos clientes ilustrada em sorriso.



Saiba mais:


Dentista em Santos | Dentista em São Vicente | Dentista Aparelho | Implante Dentário em Santos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *